Imagens Para Orkut

Narciso e Eco

"Uma ninfa bela e graciosa tão jovem quanto Narciso,chamada Eco e que amava o rapaz em vão. A beleza de Narciso era tão incomparável que ele pensava que era semelhante a um deus, comparável à beleza de Dionísio e Apolo. Como resultado disso, Narciso rejeitou a afeição de Eco até que esta, desesperada, definhou, deixando apenas um sussurro débil e melancólico. Para dar uma lição ao rapaz frívolo, a deusa Némesis condenou Narciso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco. Encantado pela sua própriabeleza, Narciso deitou-se no banco do rio e definhou, olhando-se na água e se embelezando. As ninfas construíram-lhe uma pira, mas quando foram buscar o corpo, apenas encontraram uma flor no seu lugar: o narciso. “







Por : Lázaro Freire


Vivemos um grande "neo-narcisismo pós-hedonista".



O antigo culto ao corpo implicava, pelo menos, melhorar o que se tem. Agora, o próprio corpo tornou-se um produto a ser adquirido - cabelos, seios, cinturas - para ingressarmos no mercado do "amor". Nele, bons investidores conseguem adoração, independência financeira ou substituto de auto-estima até a próxima estação de neo-prostituição. Se o amor é mercado, preciso ser bem de consumo, moeda de troca, e a embalagem é fundamental.
Fico imaginando como serão os cemitérios do futuro. Precisarão ter caixinhas de restos mortais maiores, para acomodar as bolsinhas de silicone da bunda e peitos da titia que "desencascou".
Ainda bem que silicone é inflamável: Com um pouco de fogos de artifício, poderemos vir a ter rituais pirotécnicos nas futuras cremações. Mas isso se houver família para administrar restos mortais.



26 de outubro de 2010

Narcisistas os mestres da negação




 "Narcisistas: os mestres da negação"

 Jeffrey Kluger, Revista Time







Meu professor de Transpsicanálise, André Keppe, costuma dizer que esse momento, digamos, "cultural" da história ocidental pode vir a ser classificado, no futuro, como "período neo-narcisista". Eu acrescentaria um "pós-hedonista". Vivemos um grande "neo-narcisismo pós-hedonista".




O antigo culto ao corpo implicava, pelo menos, melhorar o que se tem. Agora, o próprio corpo tornou-se um produto a ser adquirido - cabelos, seios, cinturas - para ingressarmos no mercado do "amor". Nele, bons investidores conseguem adoração, independência financeira ou substituto de auto-estima até a próxima estação de neo-prostituição. Se o amor é mercado, preciso ser bem de consumo, moeda de troca, e a embalagem é fundamental.
Fico imaginando como serão os cemitérios do futuro. Precisarão ter caixinhas de restos mortais maiores, para acomodar as bolsinhas de silicone da bunda e peitos da titia que "desencascou".
Ainda bem que silicone é inflamável: Com um pouco de fogos de artifício, poderemos vir a ter rituais pirotécnicos nas futuras cremações. Mas isso se houver família para administrar restos mortais.
No pós-hedonismo da geração que ligou o dito "botão de foda-se", os filhos (mal) criados sem limites tornam-se pequenos ditadores domésticos. Educamos, se é que se pode usar esta palavra, um exército de psicopatas, crescendo em um país em crise, voltados para o próprio seio. Ou para o próprio umbigo, já que "seus" seios são artificiais.
Pensando bem, esta geração do "cada um com seus problemas" não terá senso comunitário suficiente para cuidar de "restos", ainda que mortais... Como ativista do Greenpeace, sou obrigado a alertar: do jeito que vai o meio ambiente, a campanha da fraternidade de 2050 pode ser: "recicle o silicone de sua avó".
E tome malhação. E tatuagens excessivas, afinal tudo que não queremos é mostrar a própria "pele". Nada mais simbólico do enchê-la também de furos: A motivação inconsciente do modismo dos piercings me faz lembrar dos pacientes de relatos clássicos da psicanálise, que retalhavam a pele como forma de deixar "alguém preso" sair - aliviando assim sua angústia pessoal. Estariamos fazendo o mesmo, coletivamente, com nossa angústia existencial?
Hoje, é preciso construir outra persona, ilusória. Tatuagens e plásticas são bem vindas, em cima de músculos forçadamente adquiridos em sessões excessivas de academia, não raro diárias. Combinações perfeitas para os silicones e anabolizantes dos que consomem, narcisisticamente, sua inclusão no novo mundo do prazer.
Há também os aditivos do prazer: Em um mundo hedonista que não perdoa falhas, as drogas de maior faturamento no planeta são os anti-depressivos... e auxiliares da ereção!!! Seguidas pelo Ectasy, no mundo ilegal. Coincidência?
Enquanto isso, nas "comunidades" de redes de relacionamento virtual, uma série de sintomas patológicos, intolerâncias e extremismos são assumidos como se fossem características da personalidade. Para quê meio-termo em um mundo de exageros? O importante é "ter atitude", muitas vezes um eufemismo para comportamentos maníacos - alguns deles, bipolares, graças ao Prozac "receitado" por ginecologistas ou clínicos gerais após extenso "exame psicológico" de 15 minutos.
Se alguém estiver triste ou reflexivo, "conserta-se". Não se questiona a sociedade, adapta-se a ela. Terapias instantâneas alienantes proliferam-se, em lugar da análise. Não há tempo a perder, mudando o comportamento já está bom. Se algo der errado adiante, o paciente siliconado que "consuma" a terapia outra vez.
Jung, que faleceu em 1961, previa estarmos criando uma sociedade patológica, onde o excesso do consciente / material / aparente sobre o inconsciente (integrado) / espiritual / subjetivo reproduziria a própria estrutura da neurose, a ponto de perdemos a coincidência dos limites entre saudável e normal. E hoje, alternando entre neuroses e psicoses, evoluímos para uma sociedade... "borderline".
Neste cenário, para quê se comprometer, atravessar dificuldades ou perdoar? Vamos "ficar", que a fila anda. Se não for divertido, não fazemos mais. "Amor" descartável, comprado pela aparência, voltado ao prazer.
A questão é que o narcisismo individual favorece o comportamento egocêntrico, descontinuidade afetiva e instabilidade emocional. Tornando-se um modelo coletivo de "normalidade", bem como um diferencial de inclusão afetivo social, construiu uma sociedade de "cada um por si", relacionamentos descartáveis, aqui-agora, perdas constantes, onde não há "culpa" (leia-se: responsabilidade) sobre o que se prometia - ou exigia.
A mídia molda o indivíduo, refletido coletiva e patologicamente na "sociedade", e esta não precisa mais da parte para se perpetuar. Não é apenas um silicone ou academia: estes são realimentação de algo maior anterior.
Neo-narcisismo pós-hedonista. Viva o corpo e o prazer, pra ver se isso aplaca, no que "estou", a angústia do que não consigo "ser".

Imagem é tudo. A fila anda. Tudo pelo prazer. Vamos à academia trabalhar anabolizantes e silicones, perseguindo um "modelo" distante da saudável exequibilidade, salvo consumo adicional. Precisamos estar bem para mostrarmos nossa nova pele tatuada e furada, ferida na alma, para o amor descartável que temos que conquistar hoje... antes de deixarmos amanhã, na primeira dificuldade ou novo prazer, assim que a "fila andar".


Lázaro Freire


                    

Jeffrey Kluger
Revista Time
O psicólogo Lawrence Josephs sabe dizer de imediato quais os pacientes que, mais provavelmente, o despedirão. Os narcisistas podem ser os piores e só chegam a um terapeuta porque seus cônjuges não param de cobrar mais interesse no casamento e porque as pessoas no trabalho não parecem lhes dar o crédito ou a atenção que merecem. Freqüentemente,  ficam apenas o tempo suficiente para decidir que o que realmente precisam é deixar o casamento e trocar de emprego. Depois disso, abandonam a terapia.
"Eles vêm por coerção", disse Josephs, professor de Psicologia da Universidade Adelphi em Garden City, Nova York. "Mas não se comprometem. O que realmente querem é que tudo saia de acordo com suas vontades".
Se serve de conforto para Josephs, ele não é o único a ter tais problemas para lidar com narcisistas, e não são apenas os narcisistas que dão aos terapeutas tais problemas. O narcisismo é apenas uma de 10 condições que se enquadram no diagnóstico de transtornos de personalidade, e segundo a maioria dos relatos, os narcisistas estão entre as nozes mais difíceis dos psicólogos quebrarem. Terapia de conversação geralmente não os sensibiliza; terapia com medicamentos funciona igualmente pouco. Os pesquisadores sabem o motivo.
Condições mentais comuns, como transtornos de ansiedade, desordens alimentares e depressão, podem ser pensadas como uma casca patológica em torno de um núcleo intacto. Descascar a pele por meio de terapia de conversação ou seu derretimento por meio de medicamentos pode eliminar o problema. Mas os transtornos de personalidade, por outro lado, estão marmorizados por todo o temperamento. Os narcisistas podem ser concentrados em si mesmos, mas eles acreditam que têm o direito de ser assim. Personalidades histriônicas podem exagerar as coisas, mas de que outra forma seriam ouvidas? Já é difícil o bastante persuadir a maioria das pessoas a procurar um terapeuta, e é ainda mais difícil quando o paciente nega que há um problema. "Raramente chega uma pessoa com consciência de que tem um transtorno de personalidade", disse Josephs. "Os amigos e a família são os que os pressionam a procurar ajuda".
Atualmente há mais motivos do que nunca para pressioná-los. À medida que as famílias ficam cada vez mais fragmentadas e crescem as pressões sociais, os especialistas dizem que estão vendo mais casos de transtornos de personalidade do que nunca. Estima-se que até 9% da população sofra de algum tipo de transtorno de personalidade, e até 20% de todas as hospitalizações por problemas de saúde mental podem resultar de tais condições.
Os epidemiologistas não fizeram um bom trabalho em comparar estes números com os de anos anteriores, mas muitos médicos relatam - por observação casual - que estão aumentando os casos que estão tratando de transtornos de personalidade. "Os mais severos estão aumentando", disse Josephs, "especialmente entre pessoas que cresceram em lares com problemas de divórcio, drogas ou álcool".
Desta forma, cada vez mais pesquisadores estão à procura de novas formas para tratar tais condições explorando tanto as raízes genéticas quanto ambientais, buscando tanto curas químicas quanto terapêuticas. E é bom que estejam. "Os custos sociais de desordens de personalidade são imensos", disse o dr. John Gunderson diretor do Serviço de Transtornos de Personalidade do Hospital McLean, em Belmont, Massachusetts. "Estas pessoas estão envolvidas em muitos males da sociedade -divórcio, abuso infantil, violência. O problema é tremendo".
Apesar das soluções serem esquivas, o arco patológico dos transtornos de personalidade é previsível. Eles tendem a aparecer depois dos 18 anos, atingindo igualmente homens e mulheres -apesar do gênero poder influenciar qual dos 10 transtornos uma pessoa desenvolverá. Os transtornos são agrupados em três subcategorias, e destas, o chamado grupo dramático -os transtornos fronteiriço, anti-social, histriônico e narcisista- é o mais conhecido. Mas são os fronteiriços que causam aos médicos -sem dizer às famílias- as maiores dores de cabeça.
As pessoas com transtorno de personalidade fronteiriço formam relacionamentos cada vez mais voláteis, oscilando entre a idealização da família e dos amigos e o desprezo deles como sem valor ou odiosos. São pessoas que temem ser abandonadas, mas reagem tão selvagemente quando um ente querido as desaponta que o abandono é freqüentemente o que conseguem. Ao serem levadas à terapia, a mesma dinâmica se desenvolve lá. "Em um determinado momento você é o amigo mais íntimo, e duas semanas depois, você é o inimigo", disse Norman Clemens, professor de Psicologia da Universidade da Reserva Case Western em Cleveland.
As personalidades histriônicas e narcisistas usam o drama ou a concentração em si mesmas basicamente da mesma forma -para afastar a família e irritar os terapeutas. Pessoas com personalidades anti-sociais elevam as apostas, exibindo agressividade, falta de consciência e indiferença à lei, geralmente misturando comportamento criminoso em sua patologia.
Menos dramático, mas igualmente teimoso, é o grupo ansioso, que inclui a personalidade dependente, a socialmente tímida personalidade esquiva e a rígida e cheia de regras personalidade obsessivo-compulsiva (um diagnóstico totalmente diferente de desordem obsessivo-compulsiva, um problema de ansiedade). O terceiro grupo -chamado de grupo esquisito ou excêntrico- inclui as personalidades paranóide, esquizotípica e esquizóide. Paranóide é exatamente o que o nome diz. Os esquizotípicos e os esquizóides apresentam problemas para formação de relacionamentos e interpretação das dicas sociais; os esquizotípicos também podem sofrer ilusões. "Os esquizóides são lobos solitários", disse Clemens. "Os esquizotípicos caminham no limite da verdadeira esquizofrenia".
Antes que os cientistas possam imaginar como tratar estas condições,  precisam determinar o que há por trás delas. Poucos pesquisadores duvidam que quando os transtornos estão tão entrelaçadas no temperamento, parte do que os causa está escrito nos genes. Um estudo norueguês, publicado em 2000, examinou gêmeos idênticos e fraternos e descobriu que pares idênticos -com suas plantas genéticas idênticas- apresentavam maior probabilidade de compartilhar transtornos de personalidade do que pares não idênticos. A personalidade fronteiriça apresentou um nível de hereditariedade de 69%. Isto confirma as observações de campo dos médicos, que perceberam taxas maiores de transtornos entre os descendentes de pessoas com transtornos de personalidade. "Quase certamente há múltiplos genes envolvidos na predisposição das pessoas aos transtornos de personalidade", disse Gunderson.
Mas genes não são tudo. Terapeutas que trabalham com narcisistas geralmente descobrem abuso na infância ou algum outro trauma que leva à baixa auto-estima ou ao ódio-próprio -exatamente o tipo de buraco emocional que a grandiosidade patológica busca preencher. O transtorno de personalidade fronteiriço afeta mais mulheres do que homens, e algumas pesquisas mostraram que até 70% das mulheres fronteiriças sofreram abuso físico ou sexual em certa altura de suas vidas. É difícil atribuir tais maus tratos aos genes. O transtorno bipolar ou dificuldades de aprendizado quando são lidadas de forma indevida também podem evoluir em transtornos de personalidade. O dr. Larry Siever, professor de Psiquiatria da Escola de Medicina Mount Sinai em Nova York, acredita que parte do aumento dos transtornos de personalidade pode estar vinculada à perda dos grupos naturais de apoio, à medida que os indivíduos, em uma cultura cada vez mais móvel, migram cada vez mais para mais longe de casa. "No passado", disse ele, "nós vivíamos perto de nossas famílias estendidas em comunidades altamente estruturadas. As pessoas podiam cuidar dos seus e refreá-los".
Sejam quais forem as raízes específicas das condições, assim que estes dados ambientais e genéticos são lançados, o resultado já está consumado para a pessoa com transtorno de personalidade? Resumindo, a resposta triste é:  freqüentemente sim -pelo menos enquanto os pacientes com transtorno de personalidade resistirem ao reconhecimento do problema. Transtornos de ansiedade como fobias geralmente são tratadas como males ego-distônicos: o doente reconhece o problema e deseja fazer algo a respeito. Desordens de personalidade são ego-sintônicas: os indivíduos acreditam que o drama, a concentração em si mesmos e outras características que marcam sua condição são respostas razoáveis para a forma como o mundo os trata. Este é um paciente difícil de curar, mas há esperança, e parte dela começa no laboratório farmacêutico.
Os pesquisadores estão descobrindo que antipsicóticos podem ajudar a minimizar os sintomas paranóides, esquizóides e esquizotípicos. Uma variedade de medicamentos -incluindo estabilizadores de humor, como lítio e Depakote; anticonvulsivos como Tegretol; e inibidores de recaptura de serotonina (SSRIs)- podem ajudar a controlar o elemento impulsivo dos transtornos dramáticos. E apesar de medicamentos antidepressivos e antiansiedade fazerem pouco para corrigir algo tão básico como a personalidade, os médicos descobriram que se prescreverem medicamentos para aliviar o estresse resultante de viver uma vida com tamanha desordem, alguns pacientes são motivados a buscar o trabalho mais árduo da terapia de conversação. Para aqueles que o fazem, as opções estão aumentando. A terapia analítica, que explora traumas passados, pode revelar os conflitos enraizados profundamente por trás das condições.
Resultados mais imediatos podem ser obtidos por meio de terapia cognitiva e comportamental, que ensina alterações de comportamento. Um novo tratamento conhecido como terapia de comportamento dialético, desenvolvido pela psicóloga clínica Marsha Linehan, da Universidade de Washington, pode ensinar aos pacientes fronteiriços a reconhecer situações que provocam sentimentos explosivos, os ajudando a conter uma reação antes que ela irrompa. "A primeira coisa que ensinamos é a assumir o controle do comportamento", disse Linehan. "Depois disso, nós trabalhamos em como se sentir melhor".
Quando os pacientes se comprometem com algum tipo de terapia, até mesmo os médicos ficam surpresos. Um estudo conduzido por Gunderson e colegas de Harvard, Yale, Colúmbia e Brown investigou pacientes fronteiriços, esquivos, obsessivo-compulsivos e esquizotípicos e descobriu que, após dois anos de tratamentos, incluindo medicação, psicoterapia, terapia de comportamento dialético ou terapia de grupo ou familiar, eles apresentaram uma melhora de 40%. "Isto é uma grande notícia", disse Gunderson. "Ninguém imaginava que conseguiríamos algo melhor que 15%".
Mas 40% ainda deixa 60% de sofredores, e os pesquisadores esperam conseguir pender a balança para o outro lado. No Mount Sinai, Siever está investigando ainda mais profundamente o que torna as pessoas neurologicamente suscetíveis aos transtornos de personalidade, estudando a estrutura e a função do próprio cérebro, visando determinar que áreas falham no curso das desordens assim como o papel de neurotransmissores como serotonina e dopamina. Outros estão estudando causas possíveis como níveis elevados de hormônios de estresse no útero e até má nutrição durante o desenvolvimento do cérebro. A compreensão da bioquímica deverá facilitar o desenvolvimento de medicamentos. Até lá, caberá principalmente aos pacientes negar a mentira que a desordem diz - que não há nada realmente errado com eles - e realizar o compromisso terapêutico necessário para consertar as coisas. "Ninguém muda totalmente", disse Josephs. "Mas qualquer um pode se tornar mais flexível e resistente. Qualquer um pode fazer progressos". Isto por si só já é um prognóstico melhor do que a maioria dos pacientes já teve.

Um comentário:

reflexão disse...

Muitos têm um vazio na alma que procura preencher com coisas ou atividades superficiais. Se o vazio está na alma não é na superfície que ira resolver o problema. Malhação, tatuagem, cilicone, maquiagem e etc...tudo superficial. Fazer exercícios físicos para ter uma vida melhor, pois o sedentarismo não é bom, é legal. Uma maquiagem para uma atividade também é legal, mas uma maquiagem para se esconder de si ou ser algo que não é aí sim, não é legal.
Mas se preocupara com o superficial para resolver o profundo é fazer este vazio mais vazio ainda. É como se tirar terra do buraco para tentar tapá-lo. Não irá resolver o problema. Mas irá criar mais problema e pior mais confusão, pois estará tentando resolver o problema e não se entende porque não se resolve. Esta busca da superficialidade é fruto da competição. A competição pode revelar uma aparente qualidade das coisas, mas revela o que tem de pior.
A primeira coisa a se fazer é olhar para dentro de si para se conhecer melhor. E irá descobrir que é importante, único e especial.

Pesquisar este blog